13 de fev de 2014

PENSAMENTOS E IMAGENS

 I




A comunidade científica reclamou e com razão sobre alguns erros e algumas impossibilidades físicas neste filme envolvendo astronautas em missão na órbita terrestre,  mas em resumo trata-se de uma obra-prima de efeitos visuais, de um desenvolvimento lento e marcante bem ao estilo de Stanley Kubrick, e de uma surpreendente interpretação de Sandra Bullock. E, como sempre, George Clooney apresenta seu estilo irônico e sedutor.
O filme nos transporta para um mundo inóspito, um ambiente hostil aos frágeis seres humanos. E uma verdadeira luta pela sobrevivência se inicia quando a tripulação de uma nave espacial, em reparos no telescópio Hubble, enfrenta uma chuva de destroços de um satélite russo.
Gravity é um excelente entretenimento e no fim fiquei com a sensação de que os dois astronautas eram os primeiros seres a tentar habitar a Terra tamanha é a vastidão e solidão que o filme transmite sobre o Espaço. E esta sensação ganha força nas cenas finais!
Muito lindo apreciar as poderosas imagens da Terra neste filme...gostaria de estar lá!



II


Divagações sobre o Plano Astral

Consegue imaginar um campo de percepção entrelaçado com este em que vivemos, aonde seres e situações podem estar cruzando seu corpo físico neste momento? Sim, este é o conhecido mundo "pós-morte", um lugar aonde a maioria de nós, enquanto espíritos eternos e infinitos, irá habitar com novas "roupagens".
E do que este plano é feito? Certamente existem faixas de energia-matéria aonde cada um de nós irá encontrar correspondência, dependendo apenas das ações realizadas durante a vida no plano físico.
Em termos gerais apresento minhas humildes idéias que sempre estão em evolução com os estudos. E que os acadêmicos de plantão me perdoem mas é preciso teorizar e discutir: 
Uma aceleração vibracional e desconstrução geral do Modelo Padrão e da Tabela Periódica deve existir por lá. Mas trata-se ainda de um mundo atômico, afinal está aqui no planeta.
Acredito que no Plano Astral os elétrons se tornam mais rápidos, gerando uma verdadeira riqueza de saltos quânticos na eletrosfera e uma maior quantidade de elétrons livres saltando para fora do átomo, através da camada de valência. Assim temos uma espécie de caldeirão de íons muito mais ativos, vibrantes e plasmáticos. Isto implica também em muito mais fótons circulando, fótons mais dinâmicos e energéticos que começam a formar um novo tipo de ligação molecular chamada Prana.
Os mediadores dentro do núcleo, que estabilizam prótons e nêutrons aqui no plano físico, perdem um pouco da razão de existirem e os núcleos se tornam mais agitados, porém ainda estáveis.
A gravidade diminui o que implica dizer que seu mediador, o teórico gráviton, também age com menor intensidade possibilitando a levitação e leveza dos corpos. 
Vale lembrar que todos os espiritualistas acreditam na força criativa e precipitadora do pensamento-sentimento como uma das qualidades inerentes à nossa própria essência consciente, divina e infinita. E sendo assim o ser humano em sua eterna evolução, para sutilizar-se e manter o curso de volta ao oceano divino primordial, irá se deparar no Plano Astral com um novo entendimento da matéria e se tornar apto a criar instantaneamente com o pensamento, afinal muitos mais fótons existem e várias forças coagulantes estão em estado de "afrouxamento" possibilitando a manipulação direta do meio material...



III






5 de fev de 2014