13 de dez de 2014

INDUÇÃO ELETROMAGNÉTICA

Esta postagem mostra o desenvolvimento e encerramento das ideias abordadas em outra anterior: MONOGRAFIA E ELETROMAGNETISMO
Resumidamente: a escola de minha filha pediu que cada aluno desenvolvesse uma monografia e, tentando ajudá-la, sugeri o tema de geração de energia elétrica através de imãs, uma forma de energia limpa. Também propomos desenvolver uma máquina para demonstrar que poderíamos gerar movimento perpétuo dos imãs e energia infinita que não dependesse de recursos naturais, tais como água ou ventos...

A parte teórica do trabalho ficou exemplar, muita boa mesmo!
Mas na hora em que fomos para a prática tudo complicou.
Montar a tal máquina foi difícil. Utilizamos um molinete de vara de pescar para gerar movimento mecânico e impulsionar os imãs, imaginando que isto seria suficiente para existir corrente elétrica em uma bobina de fio de cobre improvisada e acender uma lâmpada.

















Doce ilusão! Como é difícil acender uma simples lâmpada. Faltou movimento mais acelerado dos imãs, faltou quantificar os fios de cobre...enfim faltou entender de elétrica harara....
Quase já desistindo, um mecânico de carros falou: pare de sofrer e compre um dínamo, aquela peça que usam no pneu de bicicletas (em movimento) para acender faróis de segurança.
E o milagre aconteceu: a lâmpada acendeu a um simples giro da manivela! O dínamo simplificou tudo, pois dentro dele toda a equação entre imãs e fios de cobre está correta para gerar voltagem.
Como já era previsto, não conseguimos movimento perpétuo dos imãs para manter a lâmpada acesa e assim propor uma fonte energética infinita, sem depender de recursos naturais e custo zero. Mas valeu a experiência e minha filha foi convocada para apresentar o trabalho no teatro da escola (e esta beleza de peça) :