3 de jul de 2013

DISCURSOS DOS MESTRES ASCENSIONADOS / CAPÍTULO 1

SOBRE O AMOR

O grande mito do amor consiste em estares convencido de que podes amar alguém, alguma coisa ou,pelo menos, a ti mesmo. Ninguém pode amar outro; tu não podes amar-te a ti mesmo nem amar outras pessoas. Sabes porquê? - Porque o amor não é um "fazer" mas um "permitir ser" !

A energia a partir da qual o Universo está construído possui, em si mesma, uma qualidade: o deleite de ser.Trata-se da aceitação do direito de todas as coisas serem o que são.Todos os seres provêm da Fonte e, por isso, têm o direito divino de expressar sua divindade, tal como todos os seres têm o direito de desfrutar as expressões dos demais. Assim é porque, na verdade, todos são um só...ainda que engenhosamente disfarçados para darem a sensação de estarem separados. Aceitares a satisfação de te exprimires, assim como o deleite de ver os outros a fazer o mesmo, é uma experiência maravilhosa, a qual constitui aquilo a que chamo amor.

No entanto, não se pode "fazer" satisfação ou deleite; só se pode permitir que assim seja e deixar que isso inunde o ser completamente. E, de fato, esta emoção não está condicionada por aquilo que o outro possa "fazer"; baseia-se em conhecer e experimentar a divindade que há nele.
Se alguém que tu conheces está,por exemplo, irritado e agressivo, ainda assim, ele está a expressar a sua divindade...ainda que tal forma de expressão possa não te cativar muito!
O amor começa com a aceitação do direito de ser, pessoal e alheio, uma aceitação que vai crescendo até se converter num apreço por ti mesmo e pelos outros.
Agora, a pessoa que não se ama a si mesma ou que não pode fazê-lo porque não pode ver ou não dá permissão à sua própria divindade, irá desesperadamente em busca de alguém que a faça sentir-se segura. E, quando vê esta segurança ameaçada, volta a cair na chantagem e no controle emocional através da retenção do afeto...e em nome do amor?!
Lembra-te:o amor não precisa de ser dirigido para ninguém em particular; o amor não é mais do que a Fonte amando-se a si mesma. Desde que te permitas sentir o fluxo desta energia, perceberás que ela cresce nos teus campos e, desde aí, projeta-se na direção dos outros. Um dia, quando a represa se romper, verás os teus campos físico, emocional e mental inundados de uma aceitação incondicional em relação a tudo e todos.

http://www.luzdegaia.org/downloads/livros/diversos/Um_Manual_para_a_Ascensao_Serapis.pdf

13 comentários:

  1. Difícil de comentar, ainda assim, o amor é mesmo uma fonte que não esgota se tivermos essa capacidade para dirigir esse sentimento.
    Obrigado por estar presente.
    Abraço

    ResponderExcluir
  2. AMOR ... força motriz do terceiro raio.
    Sentido sublime que só pode ser encontrado “dentro”.
    Ahhh o AMOR!

    ResponderExcluir
  3. Lindo este post. Sem falar que pude deixar meu comentário...
    Um xero!!!

    ResponderExcluir
  4. Hola, estoy por aquí de nuevo, viendo actualizaciones. Excelente post, felicitaciones.
    Un gran saludo desde:
    http://leyendas-de-oriente.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  5. Fonte inesgotável de vida...

    Beijos.

    ResponderExcluir
  6. Krishnamurti, diz que o amor é ordem , mas cada um de nós se encontra em desordem pois não conseguimos encontrar a liberdade interna esse vazio existencial do ser que nos pode mostrar o que realmente é o amor, e vamos vivendo ilusoriamente os relacionamentos tanto na vida afetiva com familiar ou em trabalho pensando saber o que é o amor e temos varias posturas onde a parte egoica comanda, como o ciúme, a posse, os quereres, mas nada disso é amor, o amor é uma energia sublimada que vem da fonte como dizes e todos nós trazemos, mas só o facto de eu dizer que o amor é já o deixa de ser.
    Abraço

    ResponderExcluir
  7. Ricardo, como sempre as tuas palavras transmitem através do que publicas um ser maravilhoso e consciente do enorme potencial que está ao alcance de todos, mas que quase ninguém o vê. Como diria o Mestre Serapis Bey: "Diariamente recebeis uma certa quantidade do fogo sagrado. Conforme o uso que lhe dais, ele aumenta ou diminui. Ele é vosso por livre-arbítrio".
    Beijinhos de Luz!
    Ana Maria

    ResponderExcluir
  8. Amor, esse sentimento tão inexplicável. O verdadeiro amor é aquele incondicional.
    Adorei o texto!
    Abraços :)

    ResponderExcluir
  9. O amor é grandiosos e só conseguimos amar alguém ou algo mais se nos amarmos primeiro.
    Adorei o post.

    ResponderExcluir
  10. Vim conhecer seu belo espaço e agradecer por acompanhar minhas postagens. Abraço!

    ResponderExcluir