3 de jun de 2014

ENSAIO: DELÍRIOS ETÉRICOS

Muitos concordam, ou através da experimentação ou da teoria, que o ser humano assim que morre para o corpo físico, começa a habitar conscientemente novas "roupagens" mais sutis e aqui mesmo na Terra, entrelaçando-se com os que ainda vivem na fisicalidade. Ocorre que poucos refletem sobre este tema em seu principal aspecto e consequência: se então você não é o corpo que habita, quem é você??? E como é que este "quem é você" se relaciona e se reveste com estes novos corpos? Perguntas pertinentes e metafísicas mas que deixo no ar e que servem apenas para um prólogo deste post.
Qualquer escola oculta atribui ao Homem quatro corpos de vivência (simultâneos) na experiência concreta e terrestre: os corpos mental, astral, etérico e físico. E destes apenas dois são extremamente organizados e verdadeiros milagres da engenharia divina: o etérico e o físico. Os outros dois são como nuvens desorganizadas, para a maioria. Mas aqui também vale uma pergunta que necessita de questionadores: do que são feitos estes corpos extrafísicos?
Ora, se você está no planeta Terra enquanto se utiliza desses corpos, então é natural que eles sejam constituídos por substâncias similares aos elementos químicos e que sejam regidos, de uma forma diferente, pelas quatro forças fundamentais: o eletromagnetismo, a gravidade, a força forte e a fraca. Não pode ser tão diferente, não pode haver mistérios!
Preparei um gráfico para abordar um pouco sobre o plano físico:


O corpo físico só existe porque em primeiro lugar formou-se o corpo etérico. Os dois fazem parte do plano físico muito embora toda a região etérica esteja ainda em processo de descoberta pelos físicos quânticos. E os dois são conectados de uma tal forma que não podemos dizer que o corpo etérico seja um veículo autônomo, a exemplo do corpo astral. Quando morremos, nos desfazemos dos dois e penetramos na teia astral.
Pense por exemplo em seu fígado: ao redor e dentro dele está o fígado etérico, formado por substâncias mais aceleradas e sustentadas, em forma molecular, pela ação dos glóbulos de vitalidade. Acredito que a fronteira destas duas regiões, localizada em todas as formas de radiação gama, estabelece uma atividade tão poderosa dos fótons, que chega um momento em que eles precisam se unir para dar conta das altas vibrações das partículas. E por isso muitos chamam este corpo de prânico ou vital.
Uma bela curiosidade: assim que o corpo etérico de um ser humano está formado, todas as informações construtivas juntam-se em uma espécie de "DNA Etérico", um átomo especial que futuramente irá se localizar na cabeça de um espermatozoide único. Se consumada a fertilização, este átomo irá carregar o  formato já existente do corpo etérico e, juntamente com o DNA dos pais, entrarão em ação os elementos químicos para formação do corpo físico...a réplica.
O corpo etérico é quem envia para o físico todas as informações de pensamentos, sentimentos e a própria Vida deste mistério chamado "quem é você". Também é nesta região que existem os seres construtores e elementais, responsáveis pela manipulação das partículas de luz, trazendo para nossos olhos toda a beleza na natureza. Namastê!



14 comentários:

  1. Deus é o macrocosmo e o homem , o microcosmo. O que está em cima, está embaixo, porque um átomo é tão somente a miniatura perfeita de uma galáxia pulsando no Cosmo. Somos seres atômicos, feitos da mesma energia divina. Somos espírito e não matéria. Quando deixamos de existir no corpo físico, entramos noutra faixa vibratória, de vibrações mais sutis, imperceptíveis para quem ainda se encontra encarnado. Mas, a matéria prima de tudo o que existe, é a mesma.
    Penso que o corpo etérico seja um elo de ligação entre os dois corpos constituídos de matéria mais desacelerada, grosseira. É uma réplica do corpo material com todos os seus órgãos. E tudo o que fazemos, pensamos, comemos, fica "guardado" nesse corpo etéreo e somos responsáveis por essa bagagem. Por isso Jesus disse "Vigiai e Orai". Colhemos o que plantamos.
    Ah! Ricardo, esse assunto vai longe...rs.
    Beijo e muita paz!

    ResponderExcluir
  2. É tao dificil a compreensao e as vezes parece tao facil entender que somos alem do fisico... as vezes me perco nesse entendimento... gostaria de saber mais...

    Beijos...

    ResponderExcluir
  3. Só sei que nada sei...E então, ao ler esta excelente explanação, fica ainda mais reduzida na minha ignorância sobre a matéria abordada. Já sei que vc é um douto na física, logo me desperta imensa curiosidade em saber mais. Que venham mais "delírios etéricos"...
    (logo que tenha um tempo, irei pesquisar...)
    Bjo, Ricardo :)

    ResponderExcluir
  4. Uma vez, refletindo sobre a morte me fiz a seguinte pergunta: - Se o tempo é mesmo relativo, varia segundo quem o observa, e existe apenas para quem o presencia, então como se explica o momento crucial entre a vida e a morte, aquele milionésimo de segundo em que a vida e o tempo, simultâneamente, deixam de existir??? Será que o pensamento se congela nesse instante devido o tempo parar, ou é o pensamento que para primeiro e não permite que o tempo avance? Afinal, a morte existe mesmo ou é apenas um arquivamento de memórias? - Ou será que a relatividade é só ficção?
    - Na minha ignorância sobre o assunto, as minhas dúvidas aumentaram, depois de ver algumas reportagens em que pessoas com órgãos transplantados passaram a ter comportamentos característicos aos dos seus doadores.
    Mesmo sem entender "nada", achei esse assunto bem interessante. -Abraço!

    ResponderExcluir
  5. Caro amigo, lendo os seus textos eu vou percebendo o quanto o ser humano é infinito e que a vida é além do que vejo a até do que imagino. Grande abraço!

    ResponderExcluir
  6. Eu nunca espero comentários em posts assim e por isso agradeço até agora a todos que por aqui passaram e deixaram algumas letras. O assunto é complicado e muito interessante, o Éter já foi assunto pertinente no final do século XIX mas Einstein acabou por derrubar a sua probabilidade. Porém os físicos mais modernos já concebem a ideia de que no mínimo o Éter seja uma espécie de grade fotônica que permeia todo o universo visível e que talvez Einstein esteja equivocado em alguns pontos de sua teoria. E são as descobertas quânticas que justificam isso!
    Ao montar este blog sabia intuitivamente o fóton é a chave para a compreensão e união dos estudos científicos e metafísicos e fico feliz em estar aprofundando esta ideia. Tratarei melhor este assunto em ensaios posteriores. Grato a todos pelas visitas!

    ResponderExcluir
  7. Ricardo, gostei muito de seu comentario em O Amor é uma Dança.

    Bjs

    ResponderExcluir
  8. Ricardo, muito obrigado, por se ter tornado nosso seguidor, brevemente o faremos também no artandkits.blogspot.com
    Já vi, que por aqui os temas super-interessantes são uma constante, apoiados em imagens, de qualidade excepcional.
    Com certeza viremos visitar o seu blog inúmeras vezes, e teremos imenso gosto que venha conhecer o nosso, deixando comentários, ou critícas que lhe pareçam pertinentes.
    Mais uma vez, os nossos agradecimentos.
    Um abraço
    Ana

    ResponderExcluir
  9. Hi Ricardo,
    very interesting reading.
    You are a man of many interests ...
    I wish you a nice weekend.
    Greetings and hugs.

    ResponderExcluir
  10. Oi Ricardo querido


    Postagem pra refletir néh...Tudo bem complicado... Mas gostei muito de ler...

    Beijos e bom final de semana.

    Ani

    ResponderExcluir
  11. Ricardo , também vou com Sócrates : " Só sei que nada sei " . Tão bom o que nos apresenta . Obrigada . Beijos

    ResponderExcluir
  12. maravilloso blog
    gracias por seguirme

    ResponderExcluir
  13. Interessante este tema
    Boa semana
    Graça

    ResponderExcluir
  14. caminhar pelo infinito, tocar nas nuvens, atravessar as parades.

    ResponderExcluir